O universal idealista: liberdade, amor e partilha

http://imagens.kboing.com.br/papeldeparede/11605globo.jpg

texto premiado em Festival Internacional de Comunicação que ocorreu na Holanda, entre 30 de maio a 6 de junho deste ano.


Ideais permeiam as mentes pelo mundo. Oscilam do extremo autocentrado ao alocentrado. Independente disso, anseiam transformação. O real não basta, incomoda e aflige o idealista que se sente impelido a transcendê-lo, ou melhor, fazê-lo transcender. A possibilidade de antever o extraordinário atesta a existência da liberdade. Caso contrário, os limites da consciência idealista estariam totalmente presos ao real e, portanto, seriam realistas, simples reproduções. A liberdade é, não por acaso mas a rigor, a parteira dos ideais que, uma vez postos no mundo, devem inspirar amor e partilha, incondicionalmente.

O amor é conservador na perspectiva individual, mas profundamente revolucionário quando orientado para ideais coletivos. Essa seria a essência do conflito que envolve o ato de amar alguém. Para o amante conflui a força de manutenção mais profunda, o ímpeto de preservação da pessoa amada tal como ela é. Sua integridade, seu bem-estar, sua proximidade. O legado do amor romântico está na base dessa submissão da mudança à permanência. Por outro lado, na direção de um ideal, toda a capacidade de desprendimento e resistência é mobilizada. O amante romântico exige sacrifícios para crer na recíproca do ser amado. O idealista se sacrifica porque crê convicto.

A convicção daquele que conduz consigo um projeto de transformação da realidade precisa ser eminentemente lógica. Posto que sucede apartada de observações empíricas. Se o ente romântico é refém da experiência, o idealista que ama é livre. Aquele crê porque observa e pondera, este porque compreende racionalmente e sente amor à expansão de seu horizonte de possíveis. Enquanto o amante espera ser amado, a imaginação do visionário não aguarda, mas promove e incentiva, por amor, a mudança que quer ver no mundo.

O autêntico idealista também não impõe ao mundo seu desejo. Assim o fazem os amantes uns com os outros no afã de se sentirem aceitos. Quem ama um grande ideal, vive-o todos os dias a despeito das circunstâncias e de sua aceitação. É incondicional justamente porque é livre. Uma liberdade tão plena, fundada no amor, que não requer a replicação de si para se sustentar. Assim, o idealista é um altruísta por excelência. Faz o que ama e é retroalimentado pelo amor que sente. O amor é o começo e o fim de sua ação, e o ideal é sua expressão no tempo e no espaço. Está sempre atrelado intrinsecamente a uma necessidade de aperfeiçoamento do real até a condição ideal almejada.

Ainda que se fale de uma postura idealista autêntica, um ideal não é definido pelo seu portador. Este, sim, pode ser definido por aquele, porque uma imaginação utópica atende primeiro por sua lógica interna, e não pelo nome do sujeito pensante. Um ideal tem suas linhas expressas no entendimento com relação ao problema que procura superar, e na clareza quanto aos meios através dos quais orienta sua caminhada. Todavia, a percepção de um problema real traz consigo elementos de conflito sentidos como desconforto psicológico e sentimento de impotência. Da percepção à ação existem mais zonas de conflito, seja em decorrência de obstáculos criados por outros grupos, seja pelos custos hediondos que recaem sobre os que não priorizam sua autopreservação num ambiente de incertezas.

O processo de concretização de uma ideal é, por princípio, revolucionário, e por isso não pode negar o conflito. Mas, se para conviver com o conflito houver de negar o amor e a liberdade, desfaz-se o ideal. É real. É ilógico que a mudança idealista proceda por um caminho que reforce o real. Nem todo real, entretanto, reduz-se ao caos. Ressalva da qual surge a prudência como uma arte de diagnosticar as várias esferas do real, com o máximo grau de discernimento objetivo. Nesse processo, aparece a necessidade do diálogo como mediador da objetividade. Uma avaliação que se faz só não pode ser outra coisa senão subjetiva. O critério mínimo da objetividade, além dos cuidados atinentes ao método, é a percepção do outro. Um ideal, portanto, possui o atributo de ser sempre algo coletivo. Em síntese: amor, liberdade e partilha.

Mas ainda resta frouxo o delineamento de um ideal. Amor e liberdade nunca foram conceitos estanques. Além da grande variação semântica intrínseca, eles ainda podem ser observados em sérios conflitos coexistenciais, um com relação ao outro. Vejamos o amor romântico. É provável que o amor a dois, o amor construído no nascedouro da modernidade européia, reforce colateralmente algumas mazelas do real ao invés de negá-las. O começo de um relacionamento amoroso de pares promove uma alegria imensa, da magnitude de seu risco, intensamente individualizada no sujeito amado, e inadvertidamente negligente com seu transcurso no tempo. Seu êxtase provém do suposto triunfo sobre a saudade, a rejeição, a frustração sexual e a solidão. A posse possibilita a superação da saudade, sentir-se desejado afasta o sentimento de rejeição, a paixão sacia a libido, e a companhia afugenta a solidão. Contudo, o ponto de inflexão está atrelado à ideia de conservação. Dado que o amante orienta seu todo seu sentimento para um sujeito amado específico, este consubstanciação amorosa não pode ser outra. Mas no transcurso do tempo a permanência é contingente. Tudo deixa de ser, com o tempo, aquilo que é. Ontologicamente, dizemos que uma coisa pode estar vindo a ser outra enquanto ela é. Nesse contexto romântico, a mudança se torna ameaçadora, e o projeto amoroso, uma ilusão. A libido se satura pela rotina; solidão, a dois; e volta o avassalador medo da rejeição. Dessa vez, da rejeição pelo novo, novos projetos, novos amores.


Ao dedicar-se por um ideal, o amor reestrutura-se. Não requer mais a conservação do estado de coisas. O ideal é justamente a mudança almejada. Deixa de ser compulsivo pela posse, visto que o ideal é partilha. A medo da solidão também sucumbe à coletividade e ao projeto de futuro comum. Desconhece a saudade porque o ideal está totalmente ligado ao futuro. O sexo não é mais um tipo de sustentáculo do amor. E a frustração insinua-se como o único risco. De grau menor, diga-se. Alguém se frustra pela não concretização de seu ideal, mas jamais com seu ideal. No rigor e no excesso, podemos inclusive negar a possibilidade de frustração. O idealista que ama, ama seu ideal em estado abstrato. O amará, portanto, mesmo enquanto ele não se concretizar. O amará até o fim porque a incondicionalidade para amar está dada desde o início.


A liberdade é a condição de escolher qualquer ação ou pensamento até o ponto em que tal escolha não seja um óbice ao talante de outrem. Diferente disso, não há liberdade. Seria algo que se aniquilaria no contato inevitável com a alteridade. Dizer que a liberdade é fazer qualquer coisa indiscriminadamente nos levaria, fatalmente, ao contrassenso de termos de admitir uma diminuição da liberdade à medida que ela se soma à liberdade alheia. Ou seja, a prática individual irrestrita da liberdade gera opressão.

A liberdade que deve compor um ideal é a que se coaduna com a partilha. Aqui temos uma liberdade madura e refletida. A partir do momento que se envolve com o sentimento de amor, no bojo de um ideal, passa a respeitar a liberdade difusa na coletividade. Os projetos coletivos de futuro, quando desassistidos de liberdade e amor, não podem ser considerados ideais. Essa compreensão é de suma importância ante as relativizações apressadas sobre os valores fundamentais que devem reger a convivência humana. Da forma como é praticada hoje, a relativização de valores provém da posição progressista dos primeiros antropólogos. Servia como um instrumento de combate ao etnocentrismo, garantindo maior objetividade na análise científica. A razão de ser do relativismo era assegurar a preservação da identidade cultural dos povos não-europeus, e controlar os impulsos para produção de uma etnografia enviesada, contaminada por discretos preconceitos adventícios. Porém, a relativização é inadequada à investigação das bases abstratas de processos idealistas. Quando um grupo abraça um ideal abrindo mão da liberdade, esse abraço sufoca. Sem fôlego, projetos utópicos perdem o fulgor, fundem-se na obscuridade que deviam combater.

A parte mais delicada do amor a um ideal é justamente partilhá-lo. Seu maior obstáculo é sobreviver ao conflito gerado pelo desacordo entre os grupos. Como fortalecer um ideal de amor e liberdade constrangido por atrozes resistências? Ironicamente, trata-se de um processo traçado em paralelo a uma afinidade. O conflito segrega ao mesmo tempo que se situa numa zona de interesse comum das partes, sobre a qual elas elaboram julgamentos distintos de como, para que e para quem agir. O conflito é uma expressão da irresistível prevalência da liberdade. Com efeito, não há outra forma senão por esse conceito para apontarmos o que é um ideal legítimo.

A partir do momento que os ideais lançam mão de assassinatos e quaisquer formas de violência, eles abrem mão da liberdade. Deixam de ser, por definição, ideais. Os grupos sob a égide da falácia da força bruta se descaracterizam como idealistas. Passam a ser apenas militantes, termo que carrega consigo uma beligerância etimológica intrínseca. Em grau mais agudo, tem-se o fanatismo, germe da intolerância e do terrorismo. O erro de concepção repousa no engessamento do vínculo fundamental entre ideal e a transitoriedade. O ideal só é sustentado, em última instância, pela crença na transformação e a superação do real. Desse modo, passa a depender do aprofundamento da liberdade partilhada, da paz.

A única forma de exortar pilares comuns e necessários a todos os ideais humanos é estabilizar um consenso lógico acerca do que são ideais legítimos. Todos os ideais precisam fazer jus à promoção de amor, da liberdade e da partilha, sem prescindir do compromisso com a mudança. A solidez lógica desse consenso afasta a relativização politicamente correta que sustenta a etiqueta da moral pós-moderna acerca de valores fundamentais, e ainda assim permite a coexistência com o conflito. Um conflito pacífico que engendra o aperfeiçoamento da convivência ao invés de aniquilá-la. Por isso, tem-se base suficiente para identificar em quais ardis os mais nobres ideais se vergam, prevalecendo acinesia do mais do mesmo. Resolve-se, assim, não só o problema de saber o que é um ideal, mas também o de como reconhecer impropriedades possíveis e recusá-las.





ps: para receber as atualizações do Despertador no Facebook: http://www.facebook.com/ODespertador

Comentários

  1. Belo texto... Me fez associar a um trecho da vida de Che Guevara, quando questionado sobre o 'por que' fazia revolução e ele respondeu que era "por amor". Acho que o texto é um libelo ao 'movimento amoroso'. Revolucionário na sua essência.

    ResponderExcluir
  2. Denise, querida, muito obrigado pela leitura atenta. Che é um grande exemplo de amor a um ideal. Mas, na minha opinião, as circunstâncias de época afastam suas soluções do que eu tento propor no texto. É provável que a Revolução Cubana não tenha se revertido num regime democrático justamente por causa de seu aspecto militar/militante. Gandhi seria um tipo ideal, no séc. XX, da tese de universal idealista. Outro, menos conhecido, é Albert Schweitzer. Beijo, amiga querida! Sempre muito, muito, muito feliz em saber que você realmente sente o que lê aqui.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. concordo em partes com o exposto, visto que esse ideal tá mais pra madre tereza de caucutá que pra gandhi, o eterno oriental citado no ocidente como forma de legitimar o "deixa disso". o ideal precisa de um corpo, mesmo que social, pra materializá-lo. esse corpo precisa não apenas de rosas pra cheirar, mas de pão pra ficar em pé. daí como fazer do ideal igualmente pão se do outro lado existem aqueles que querem esmagá-lo inclusive por vias violentas? entregando rosas, em pleno espetáculo, como num show, e não em ato de legítima defesa, como aliás deveria ser?

      "sua força [a do poder] não obtém da sua polícia, mas sim de nosso consentimento. justificamos nossa covardia em relação ao enfrentamento legítimo contra as forças que nos oprimem com um discurso cheio de humanismo moralizador. a recusa pela violência revolucionária está cravada nos espíritos daqueles que se opõem ao sistema defendendo alguns valores que o mesmo sistema lhes ensinou. mas quando se trata de conservar a sua hegemonia, o poder não vacila nunca em utilizar a violência."

      faz de conta que fui eu que disse.

      e abrjos, romero!
      mateus de leilane.

      ps: sim: gostei do texto; por isso que gastei teclado redarguindo-o.

      Excluir
    2. que fique claro: quando digo "em ato de legítima defesa" quero dizer não o ato de entregar rosas (como ficou parecendo ao rever o texto), mas o ato de se defender mesmo que seja usando a força, se necessária.

      abrjos.
      mateus.

      Excluir
    3. Mateus, achei sua critica muito boa mesmo. É sempre dilema pensar como reagir a opressão que, não poucas vezes, vem de forma violenta. Entendo que todos devemos reagir a todas as formas de injustiça. Sejam essas formam manifestadas contra nós ou contra terceiros. Cada um dentro de sua capacidade de reação, claro. O que nao procede é ser passivo. Acho que concordamos ate aqui. O que precisa ficar claro sobre minha lógica de (re)ação é que entendo a não-violência como a atitude mais eficaz contra a violência. Mais que isso, compreende que nunca se obteve ou se obterá sucesso numa luta lutando, isto é, se o objetivo é vencer a coerção violenta, a melhor estratégia é fortalecer a união entre todos que estão ligados pela mesma opressão e declarar uma grande recusa. Quem oprime está fazendo isso por algum interesse. Todos sabemos que os subalternos são extremamente necessários ao sistema de estratificação. Se a ideia é subverte-lo, é preciso que o processo de subversão seja essencialmente diferente do levado a efeito para o submetimento. Logo, não vejo outra maneira operando uma grande mudança de comportamento coletivo, orquestrada em rede internacional. Termina sendo bem semelhante, nesse ponto do método, ao pensamento de marx. Contudo, vejo como novos horizontes de conduta, não a militância do conflito de classes, mas a simplicidade voluntária e a aceitação deliberada da perda de privilégios em prol de decrescimento ambientalmente sustentável. Essa nova ética de subversão só se pode legitimar pela sua afirmação diferencial. Precisa fazer de sua práxis a imagem do mundo que almeja, um mundo fraterno e sem violência. Pra mim, só há esse caminho legitimo.
      Abraço, meu velho!

      Excluir
  3. Cai de paraquedas no seu blog e me deparo com esse texto ao mero acaso? Acredito que não, sei como a nossa mente busca o que o coração da gente precisa, estou numa busca de me libertar de algumas das minhas crenças que até então me fizeram ser o que sou hoje, mas que definitivamente, preciso, necessito diria melhor, remover do meu ser...
    O mito do amor romântico descrito aqui tão ricamente me fez ter a certeza que chegou o meu momento de me despedir do meu lado menina sonhadora, não deixarei de ser doce, mas deixarei de ser ingênua, o seu texto me servirá de leituras e estudos aprofundados a fim de que eu possa chegaronde eu quero... A liberdade de amar sem imposições, e de ser amada livremente pelo outro, enquanto não chego a esse ponto, estou a me isolar em pouco, um período de incubação se faz necessário?

    Bem compartilhei bem mais do que minha opinião aqui, acho que deixei mais um testemunho, porém agradeço por me permitires a chegar a tais conclusões, confirmações...

    beijos no coração

    ResponderExcluir
  4. Querida, em primeiro lugar, fiquei bem feliz com seu desprendimento ao escrever um comentário desses. Soou profundamente sincero e foi, pra mim, muito emocionante recebê-lo. Com relação ao texto, eu não nego a possibilidade de felicidade romântica, apenas procurei revelar características inerentes e que são vetores de intenso sofrimento psíquico. Essas características do amor romântico, na maioria das vezes, são pouco explicitadas e quase nunca explicadas pelas narrativas fabulosas, mas é fato que poluem aquela “névoa” alva dos sonhos. Acredito, todavia, que o amor é possível de ser vivido de maneira leve, mesmo que seja por meio da fórmula de relacionamento reconhecida como legitima no mundo ocidental. O bom caminhar vai depender de grande maturidade, tolerância e, principalmente, pouco pudor consigo mesmo, o que implica amplo ganho de liberdade na vida afetiva. Quem aceita as próprias contradições, as mais reprimidas, não tem motivo para ser desonesto, não se envergonha de ser o que é ou de assumir mudanças e, consequentemente, de amar o outro tal como ele é ou está sendo. Ao amor romântico na contemporaneidade resta esse caminho. Com relação aos ideais, ênfase do texto, o ponto é saber o que os fazem legítimos independente da localidade ou tempo. Dessa maneira, meu argumento é essencialista, construído objetivamente sobre lógica e filosofia perene. Abraço! E mais uma vez obrigado.

    ResponderExcluir
  5. Esse amor libertário me fez lembrar as atitudes revolucionárias de Jean Valjean de "os miseráveis". Após o contato com esse sentimento que não se dedica a um objeto ou pessoas em particular mas ao genero humano, Jean traça um percurso de fugas baseado na distribuição de afetos positivos. Acredito como você que a verdadeira revolução não se faz com armas ou violência mas sim com aquilo que há de mais precioso no genero humano: o reconhecimento de si no outro.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fico profundamente feliz de ver seu comentário aqui, Edson. :)
      Saudade, meu velho.
      Abraço!
      romero

      Excluir

Postar um comentário